domingo, 21 de julho de 2013

Sozinha, mas muito bem acompanhada


Dizer que está completa quando ao estar com alguém do lado é fácil, dividir todo peso da vida com outro é leve, mas nem por isso é o necessário para a evolução da consciência individual. Mais importante do que amar alguém é se amar, qualquer um que inverta essa ordem está fadado a uma infelicidade incurável.
Aprender a conviver consigo mesmo é o maior desafio aqui na nave Terra cheia de seres individuais buscando entender o universo interno para só depois abrir o olhos e ver o entorno.
A solidão é linda e necessária, mas até chegar a essa conclusão é dura e amarga. Com muito medo eu me entrego a ela para que aja a meu favor, olhando para dentro e ansiosa pelo momento que eu possa abrir os olhos.

Um comentário:

Luís Gustavo Brito Dias disse...

- você tocou num ponto que considero importante e incomensurável.
considero o amor próprio a chave para a compreensão do outro [e a raiz de palavras velhas e conhecidas como empatia, ajuda mútua, harmonia, etc]
a evolução do "si mesmo" que tanto requer a compreensão de nossas sombras, do nosso "eu" inconsciente.