segunda-feira, 27 de abril de 2009

Enquanto ela lia

O livro se abriu e logo nas primeiras páginas ela já tinha se transportado para fora do quarto, que apesar de ter sido sempre colorido, se enchia de cores mais fortes e vibrantes e quando ela viu, estava dentro da história.
Apesar da surpresa da menina em se ver num mundo completamente diferente, ela não se assustou, não estranhou nem questionou, mas sentiu o ar puro e tocou as plantas que davam bom dia a ela. Lá havia nuvens de algodão, pássaros de papel e estrada que brilhava com a luz do sol que tinha um sorriso quase materno.
Ela andou por entre as ruas cantarolando, sorrindo e saltitando de tanta felicidade que sentia. Porem algumas formigas feitas de sementes de melancia a avisou que a sua presença naquelas terras não seria fácil, porque ninguém achava que alguém poderia ser feliz num mundo onde arvores são de tinta e macacos são de macarrão.
Na sua cabeça não cabia a idéia de que as pessoas vissem somente esse lado, o da forma. Importava-lhe muito mais o “como” do que o “o que” e não entendia porque as pessoas não viam o que para ela era tão obvio. O macaco era o seu melhor amigo, falava-lhe coisas sabias mas era triste por ser visto somente como um monte de massa, mas ela, a menina, o via como a pessoa mais incrível que ela jamais conheceu.
E então pensou em alguma solução para estar dentro daquele livro a qualquer hora que quisesse.
Lutar lhe parecia uma atitude pouco inteligente, por ser só mais um personagem de um livro da biblioteca, esconder-se parecia uma idéia muito triste, já que a liberdade é o ar que a felicidade respira.
Ela chegou a pensar que não existia saída, de todas as formas iriam segui-la e um dia a capturariam.
Então ela decidiu que iria colorir o quanto pudesse, que iria amar cada ser daquela floresta, que não ia se esconder, nem lutar e talvez alguma mágica tão grandiosa quanto a que a fez estar naquele livro, acontecesse.
E o livro ficou aberto no quarto de cores desbotadas.

bjo
Karla Brito